• Tamanho da Letra

  • Versão para imprimir

  • Enviar para um amigo

NOTICIAS / Gestão por Bacias Hidrográficas

25.09.2017

Itaipu usa tecnologia GPS em atividade de conservação de solo na região

Técnicos da Itaipu Binacional estão utilizando o GPS, tecnologia de localização por satélite, em atividades de conservação de água e de solo na Bacia Hidrográfica do Paraná 3 (BP3) – área de influência da usina. Nos dias 21 e 22 de setembro, o trabalho foi desenvolvido na microbacia do Rio Barreirão, em Matelândia.
 
A ação faz parte do programa de gestão por bacia hidrográfica, da Diretoria de Coordenação. Os técnicos de campo da binacional usam o GPS em medições das áreas de terraços (técnica de combate à erosão). Para facilitar o serviço, é utilizado um quadriciclo, com o equipamento de medição acoplado ao capacete do condutor.
 
O gerente da Divisão de Apoio Operacional de Itaipu, Haroldo Virgílio, explicou que o trabalho começou há cerca de quatro anos, quando a Itaipu e a prefeitura de Matelândia diagnosticaram uma série de passivos ambientais na região.
 
Segundo ele, a comunidade se envolveu e participou ativamente dos projetos. Além do terraceamento, estradas rurais foram recuperadas e os dejetos de agrotóxicos passaram a ter uma destinação correta. Os produtores também ganharam abastecedores comunitários.
 
“Acompanhamos todas as etapas do projeto. A prefeitura operacionaliza o projeto, por meio da contratação de máquinas, a comunidade executa e a Itaipu faz a gestão territorial dessa informação. Conseguimos medir [com o GPS] toda a obra executada na bacia”, disse Virgílio.
 
“Essas ações [de terraceamento] são para garantir que a água da chuva tenha capacidade de infiltrar e não provoque erosão na propriedade, prejudicando a lavoura e levando terra para o reservatório”, complementou.
 
O secretário municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Otoniel Barbosa Garcez Junior, disse que o Rio Barreirão por muitos anos abasteceu o município e ainda hoje é muito vital para a economia local. “Fomenta atividades de horticultura, avicultura, suinocultura. Ou seja, é de extrema importância”, afirmou.