• Tamanho da Letra

  • Versão para imprimir

  • Enviar para um amigo

NOTICIAS / Institucional

03.02.2017

FAO promoverá cursos sobre o Cultivando Água Boa

 
A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) promoveu na última semana, em Santiago, no Chile, um encontro com diversas autoridades de países da América Latina e do Caribe, para debater o programa Cultivando Água Boa (CAB), que foi representado pelo diretor de Coordenação da Itaipu, Nelton Friedrich. (conteúdo atualizado em 8/2/2017).
  
A partir da apresentação, a FAO encaminhou à Itaipu uma proposta para a realização de cursos sobre os princípios e metodologia que regem o programa, que aborda desde conservação de nascentes e matas ciliares a métodos sustentáveis de produção agrícola. A ideia de promover o curso surgiu a partir da participação do CAB no II Fórum Regional de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável, realizado pela FAO no último mês de outubro.
 
Uma carta-resposta assinada pelos diretores-gerais da Itaipu, Jorge Samek (Brasil) e James Spalding (Paraguai), foi encaminha ao organismo da ONU na última terça-feira (7), confirmando o cronograma proposto para a realização dos cursos. Estes deverão ser realizados em cerca de 15 países latino-americanos e caribenhos, tendo como público-alvo tomadores de decisão, representantes de instituições e profissionais envolvidos com políticas públicas.
 
Segundo Friedrich, em uma primeira etapa, será realizado um curso a distância, pela internet, entre os meses de março e julho de 2017. Os alunos que se destacarem serão convidados a participar de um curso presencial no próximo mês de agosto. Essa etapa presencial deverá incluir visitas de campo aos programas do CAB nos 29 municípios que fazem parte da Bacia Hidrográfica do Paraná Parte 3, na região Oeste do Paraná. 
 
A proposta da FAO também inclui que, em uma terceira fase, em cada um dos países participantes, será desenvolvida uma experiência-piloto inspirada no CAB, com assistência da própria FAO e da Itaipu. Esses projetos serão posteriormente apresentados durante o Fórum Mundial da Água, que será realizado em Brasília em 2018.
  
“Está não é uma ação pontual. Tem desdobramentos no curtíssimo, curto e médio prazo”, afirmou Friedrich. “A FAO demonstrou convicção de que a experiência da Itaipu com o CAB constitui um caso a ser estudado e compartilhado, por  sua abordagem na gestão da água, agricultura familiar, saúde, alimento, inclusão social e produtiva e também por seus nexos com os ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – definidos pela ONU)”.
  
Esse apoio da FAO também se dará às iniciativas de replicação da metodologia do CAB que já estão em andamento, como na Guatemala e na República Dominicana. A ideia, segundo Friedrich, também é desenvolver ações conjuntas com a Rede Global de Boas Práticas, que reúne iniciativas premidas pela ONU com o Water for Life (reconhecimento que o CAB recebeu em 2015).
  
“A parceria com a FAO abre mais uma frente de diálogo muito rico entre experiências de gestão da água na América Latina e no Caribe”, completou Friedrich. 
 
Para Hivy Ortiz Chour, oficial do programa “Agricultura, atividade florestal e pesca mais produtiva e sustentável” da FAO, o trabalho conjunto entre a organização internacional e a Itaipu permitirá formar capacidades na região, para obter um ordenamento territorial e manejo de bacias hidrográficas de forma sustentável. 
 
“Para alcançar esses resultados, é necessário fazer consultas participativas às comunidades que habitam esses territórios, criar compromissos entre comunidades, governos, empresas privadas, ONGs, grupos indígenas, homens, mulheres, jovens e adultos, e assim implementar práticas de produção sustentáveis, conservação de biodiversidade, desenvolvimento econômico e reconhecimento social”, disse Hivy. 
 
“O manejo das microbacias que alimentam a represa de Itapu, por meio do programa Cultivando Água Boa, é um mostra de que a soma do manejo dos territórios e das microbacias de forma sustentável é possível e que essas práticas são uma contribuição direta ao cumprimento dos ODS”, acrescentou.
 
Clique AQUI para baixar um PDF sobre o curso.