• Tamanho da Letra

  • Versão para imprimir

  • Enviar para um amigo

Plantas Medicinais

A região da Tríplice Fronteira, com sua enorme diversidade natural e cultural (em especial pela forte presença indígena), tem um rico patrimônio em plantas medicinais que infelizmente vinha se perdendo, por conta da devastação ambiental e pela fragmentação do conhecimento tradicional, decorrente dos processos de urbanização. Para resgatar esse patrimônio, difundir o emprego de fitoterápicos e os conhecimentos sobre seu uso, e ainda oferecer uma alternativa de renda para agricultores orgânicos, foi criado o programa Plantas Medicinais.

O primeiro passo, assim como em outras iniciativas do Cultivando Água Boa, foi buscar parcerias com instituições que já trabalhavam com o tema na BP3, como universidades, laboratórios, associações, ONGs e órgãos do governo. A partir de então, foi realizada uma pesquisa na região, sobre quais as doenças mais comuns e quais os fitoterápicos que precisavam ser trabalhados para tratar essas enfermidades, desde que fossem espécies abordadas em estudos científicos e com eficácia comprovada.

Em 2005, a Itaipu criou um ervanário, com uma estrutura completa para secagem e produção de fitoterápicos, anexa ao horto de 1,5 hectare. Ali é feita a coleta, limpeza,beneficiamento e controle de qualidade, além da montagem de um kit com 18 tipos de plantas medicinais, que servem para o tratamento das 10 doenças mais comuns da região. Os kits são enviados a postos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Uma das conclusões da pesquisa é que, apesar de a maioria das pessoas conhecer e utilizar plantas medicinais (82%), uma parte considerável (16%) as usava de maneira incorreta e ainda desconsiderava a ocorrência de efeitos colaterais.

Outro problema identificado é que os profissionais de saúde não estavam capacitados para trabalhar com fitoterápicos e, para atuar nessa área, é necessário gostar do tema e estar convencido da eficiência dessas plantas.

Assim, durante três anos o projeto deu ênfase à capacitação e sensibilização, buscando vencer antigos preconceitos e mostrando resultados clínicos comprovados. O Instituto Brasileiro de Plantas Medicinais, do Rio de Janeiro, que já oferece cursos de pós-graduação na área, foi contratado para realizar os cursos de capacitação.

O primeiro deles foi realizado em 2007 e contou com a participação de diversos profissionais de saúde, entre eles médicos, enfermeiros, farmacêuticos e dentistas. Em 2009, ocorreu o segundo curso, específico para prescritores (profissionais que legalmente podem prescrever medicamentos), como médicos, dentistas e nutricionistas. Além disso, a Associação Centro Integrado de Educação Natureza e Saúde (Aciens) promove cursos básicos sobre educação alimentar, higiene, saneamento e como usar e preparar plantas medicinais (chás, infusões e condimentos) para comunidades carentes, trabalhadores sem-terra e indígenas. Juntos, os cursos básicos e para profissionais já capacitaram mais de 7 mil pessoas.

A implantação de um projeto dessa natureza, muitas vezes, esbarra na dificuldade de aceitação por conta das Secretarias de Saúde, acostumadas a trabalhar com os medicamentos halopáticos. Mas, uma vez que fica comprovada a eficiência dos fitoterápicos, as vantagens clínicas e a economia para o município, essa barreira é vencida. É importante frisar que, sem o apoio da administração municipal, não é possível desenvolver um programa dessa magnitude.

Além do fornecimento dos kits, a Itaipu patrocina os cursos. A contrapartida das prefeituras é ceder os profissionais de saúde para o treinamento e fornecer a infraestrutura. Outra estratégia do programa está em estabelecer uma cadeia de produção junto à agricultura familiar, como alternativa de renda, e de uma rede de distribuição na BP3 junto às secretarias de saúde municipais. Em 1,5 hectare de área é possível produzir fitoterápicos suficientes para atender a 10 postos de saúde.

A produção de fitoterápicos precisa ser obrigatoriamente orgânica. Em parceria com a Oscip Sustentec (que também participa do programa Desenvolvimento Rural Sustentável), é oferecida capacitação aos agricultores, desde o plantio à embalagem. Uma das vantagens do cultivo de plantas medicinais é que espécies nativas como Espinheira Santa, Pata de Vaca e Embaúba podem ser cultivadas na Área de Proteção Permanente. O programa orienta que o agricultor primeiro consulte a lista de fitoterápicos do Sistema Único de Saúde (SUS), o que é um indicativo do mercado que ele poderá explorar.